Homem com faca na mão.
Ordem pública e gravidade em abstrato do delito
23 de fevereiro de 2018
Médico segurando mão de paciente.
Relação médico-paciente não pressupõe vulnerabilidade em casos de abuso sexual
5 de março de 2018
Exibir Tudo

Sociedades de Controle e Aprisionamento de VIPs

Ilustração de um prisioneiro à beira da janela.

“Mas, é melhor a ausência de luz do que uma luz trêmula e incerta, servindo apenas para extraviar aqueles que a seguem. Não é em vão que o povo percorreu uma longa carreira histórica e que pagou seus erros por séculos de miséria.” – Mikhail Bakunin

A rápida ampliação dos encarceramentos no Brasil explicitada em “Abolicionismos e Sociedades de Controle: entre aprisionamentos e monitoramentos” (2018), bebe dos cantos assumidamente progressistas (que abarcam a política institucional dos partidos).

Cantos que, tristemente, não se limitam ao Partido dos Trabalhadores (PT) em seus anos de brutal e impressionante aumento da população carcerária, que seguiu investindo em tecnologias repressivas (que hoje devoram e consomem os seus)[1].

Reivindicaram e estimularam uma coesão fabricada mediante acordos que imprimem continuidades autoritárias conectadas às redes e mecanismos de tortura então redimensionados, que atravessam e constituem o circuito-prisão; e a prisão como uma (terrível) política como explana AUGUSTO (2013), fortemente alimentada pelo princípio da autoridade naturalizada, atrelada à razão de governo, e uma certa arte de governar identificada (CORDEIRO; PIRES, 2017a).

“Arte” que, nas sociedades de controle, é fortemente incrementada pelos próprios sujeitos convocados, recrutados, condicionados a participar repressivamente das demandas que celebram o poder punitivo e a linguagem criminal, a lógica e a justiça do soberano, sua lei, seu tribunal (todos esses e outros símbolos bombardeados).

No campo das subjetividades, isso abarca o policiamento constante do outro; micropolítica e macropolítica irrigadas com os fluxos repressivos das sociedades de controle, conexão contínua sublinhada por RESENDE (2018):

“Ao refletir sobre abolicionismos e sociedades de controle, na esteira das provocações desta obra de Guilherme Moreira Pires, somos levados a nos deter no emaranhado do punitivismo que transverte as macropolíticas penais, que resultam no encarceramento em massa, e nos policiamentos micropolíticos da vida quotidiana. Nas sociedades de controle verificamos um contínuo entre o macro e o micro. […] Nas Sociedades de Controle, que se encontram em nível avançado de governamentalidade, onde as disciplinas dos espaços de confinamento já não são necessárias, pois o disciplinamento se realiza a todo instante, utilizando, por exemplo, as novas tecnologias de informação e comunicação, a lógica policial é incorporada até mesmo por aqueles que se posicionam no espectro político anti-establishment.” (RESENDE, 2018, p. 177).

“A presente obra de Pires aproxima o olhar do contínuo existente entre a micro e a macropolítica, entre as dimensões molares e moleculares em que o punitivismo enraizado nas culturas predominantes é desafiado a dar lugar a outros fluxos e afetos. O vírus anárquico do abolicionismo penal propõe a desterritorialização da forma tradicional, estado-cêntrica e monoteísta de lidar com situações problema e com a heterodoxia comportamental, para uma forma que possibilite uma troca mais aberta às diferenças e ao reconhecimento das potências singulares de cada um.” (RESENDE, 2018, p.180).

A universalidade da lei, sobretudo no âmbito jurídico-penal, remete por excelência ao mundo das simulações[2] conectada à coesão fabricada pelo Estado e seus aprisionamentos (Estado, como edificação que opera mediante imagem totalizante de sacrifícios programacionais do conteúdo não prioritariamente resguardado por seus referenciais, e de forma constitutiva; uma construção não projetada para a valorização da multiplicidade, horizontalidade e diferença, mas para seu controle e governo, inclusive dos miseráveis).

Essa dinâmica estatal e sua seletividade intrínseca, além não de ser abolida ou redesenhada (para melhor) mediante o aprisionamento de VIPs, contempla, com essas pautas, o reforço da noção de imprescindibilidade da linguagem criminal (costurada ao fluxo retilíneo-reducionista e pré-programado da dinâmica do poder punitivo, e sua replicação da prisão como uma política determinante à atualidade da conservação do mundo das autoridades), e seus encaixes subjetivos, obedientes às mecânicas que seguirão devorando vidas.

As gigantescas ressonâncias desses erros não são fantasiosas, elas são verificáveis na legislação penal, nos aprisionamentos, nas práticas jurídicas, nas interpretações dos tribunais e atores do chamado sistema de justiça criminal, no cotidiano das pessoas que encarnam essa subjetividade policial ilustrada com AUGUSTO (2013, 2018) abarcando a própria “cidadania” como uma categoria policial e PIRES (2018) acerca dessa imaginação; o “sujeito punitivo” sublinhado por LEMOS (2017), ou nos termos de NEVES (2016, 2018), os sujeitos de “sensibilidade punitiva”.

Inúmeros autores, trabalham as conexões no campo das subjetividades, atentos às pequenas e grandes explosões. Recordando Proudhon, sem a percepção dos “pequenos detalhes” não entendemos os ruídos feitos mais tarde, e acabamos não entendendo profundamente nada (CORDEIRO; PIRES, 2017b).

O mencionado livro abarcando abolicionismos e sociedades de controle, explicita como os “pequenos detalhes” são gigantescos! (PIRES, 2018).

“Aqueles que só veem as coisas grandes, que só escutam as detonações, não compreendem nada da história.” (PROUDHON, 1861, p. 30).

Os dispositivos de dominação invocam retoricamente a coesão de um equilíbrio descrito e/ou prometido enquanto dever-ser, mas que é de impossível concretização programacional, na medida em que não pode sequer tornar-se um mapa verdadeiro.

É logicamente impossível, por exemplo, “sistema de justiça criminal” sem seletividade (algo extremamente básico), prisão sem tortura, linguagem criminal que não se estabeleça a partir de múltiplos sequestros e achatamentos, embasados em, e estruturantes de (novas) coesões falsificadas, como a do “sequestro das vontades”, assumindo-se autoritariamente, com presunções gerais sobre os fluxos subjetivos das pessoas, que todas as demarcadas “vítimas” desejam, necessariamente, a incidência das falsas respostas da linguagem criminal, o que nem sequer é verdadeiro, como desmascarado, por exemplo, com Louk Hulsman, que também supera os recortes artificiais brutalmente grosseiros da crença em sujeitos (e consequentemente desejos) universais vinculados às projeções retóricas totalizantes em jogo, acerca da “questão criminal”.

As propostas reformistas das redes dos discursos de legitimação residuais (CORDEIRO; PIRES, 2017b) não se sustentam, são espalhafatosamente grosseiras em cada aspecto, sendo programacionalmente impossíveis alguns redesenhos propostos por progressistas, “humanistas”, “juristas da democracia” etc.

Ignorando (e subestimando) mecânicas e dinâmicas complexas, sem alcançarem a vastidão desse nível absurdo de sequestros conectados a diversos outros sequestros (para muito além do “sequestro do conflito” e das vontades), e sem valorizar seriamente as analíticas abolicionistas libertárias (anarquistas), muitos progressistas, ao colocarem-se (como acreditam) “contra a seletividade do sistema de justiça criminal” (ou outra proposta irreal similar), sustentando redesenhos e reformas por uma democratização das prisões expansivas (visando agora capturar VIPs), em realidade, energizam as mesmas mecânicas e operacionalidades estruturalmente seletivas que em tese repudiam (alimentando-as), e que continuarão recaindo majoritariamente sobre seus alvos preferenciais, então com máxima sofisticação repaginada dos discursos de legitimação, reconstruídos, renovados, soldados com as vozes capturadas dos que sugerem rupturas que não são rupturas (mas expansões e continuidades); devaneios capturados que se enxergam contrários às autoridades sacrificadas (supostamente contrários aos jogadores engolidos), mas que, em verdade, reafirmam a imprescindibilidade do princípio da autoridade estruturante da prisão como política, mórbida e rasa, que seguirá energizando e garantindo a perpetuação das produções das autoridades, sendo ela própria, a linguagem criminal, extensão crucial para tanto, sem horizonte destoante capaz de abolir a razão de governo e seus aprisionamentos (em encaixe neoliberal impulsionador)[3].

“Os abolicionismos contemporâneos, se apresentam dificuldades e impasses ao proporem debates e alternativas facilmente cooptáveis pelo Estado, ao menos, em uma perspectiva demasiadamente pessimista, devem servir como a consciência do penalista contemporâneo. […] O horizonte precisa contemplar mais do que regras destinadas à eterna repetição. Mantras a beneficiar quem depende do sistema penal. […] A liberdade, porém, inexiste dentro de feudos, inexiste quando se teme o novo.” (ÁVILA, 2018, p. 191-192).

A artificialidade da linguagem criminal e suas replicações é linguagem precisamente das expansões e continuidades repressivas… linguagem de capturas, não de conquistas.

Nosso horizonte não deveria ser tão miserável.

Saúde.

Autor: Guilherme Moreira Pires

Fonte e imagem: https://canalcienciascriminais.com.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *